segunda-feira, janeiro 04, 2010

Para Belle e Giovanni

É fantástico! Estava eu ocupado a escrever um texto de resposta às questões suscitadas pela poetiza Belle, no comentário ao meu texto sobre Piet Hein, quando o Giovanni me apanhou na curva, numa errada referência a Ken Wilber no meu último texto sobre sexualidades, o que me obrigou a colocar no referido texto, uma chamada de correcção e um link para um texto de Ken Wilber explicando a questão da “Falácia pré/trans”. Pretendendo rapidamente dar a mão à palmatória, quis também publicar aqui uma tradução para português desse texto.

Se eu misturasse os dois assuntos, aparecia a amiga Aldina a comentar, com a sua mente de engenheira, que os assuntos nada tinham a ver um, com o outro. Teria, portanto, de fazer duas “postagens” diferentes…
Ponho-me a traduzir e não é que muito do que eu queria responder à poetisa Belle pode inferir-se do texto de Ken Wilber?
De facto, tudo está relacionado com tudo…!


Vou colar a seguir a tradução. Mais tarde, vou intercalar no texto uns bonecos. Não têm nada a ver com o texto, são só para guiar os que me lêem em diagonal. Os que me lêem com atenção, por favor, apreciem os bonecos depois da leitura.





A Falácia Pré/Trans

Texto transcrito de SEXO, ECOLOGIA E ESPIRITUALIDADE, por Ken Wilber

© 1995, 2000 por Ken Wilber. Por acordo com Shambhala Publications, Inc., Boston, www.shambhala.com

Traduzido do inglês, por Álvaro Costa

Desde que comecei a escrever sobre as diferenças entre estados de consciência pré-racionais (ou pré-pessoais) e estados trans-racionais (ou transpessoais) – sobre o que chamei de falácia pré-trans – fui ficando cada vez mais convencido da importância crucial da sua compreensão para se apreender a natureza de estados de consciência mais elevados (ou profundos) ou verdadeiramente espirituais.

A essência da falácia pré/trans é em si própria, bastante simples: Uma vez que os dois estados, pré-racional e trans-racional são, cada um ao seu modo, não-racionais, parecem semelhantes ou, mesmo, idênticos aos olhos dos leigos. E uma vez que se confundem estes dois estados, ocorre uma das seguintes falácias:

Na primeira, todos os estados superiores e trans-racionais são reduzidos aos estados inferiores ou pré-racionais. Experiências autenticamente místicas ou contemplativas, por exemplo, são vistas como uma regressão ou recuo aos estados infantis de narcisismo, indiferenciação oceânica, indissociação e até autismo primitivo. Por exemplo, é precisamente este o caminho seguido por Freud em O Futuro de Uma Ilusão.

Nestas descrições reducionistas, a racionalidade é o grande ponto final do desenvolvimento individual e colectivo, o ponto mais alto da evolução. Não é suposto existir nenhum contexto superior, mais largo ou profundo. Portanto, a vida é para ser vivida ou racional, ou neuroticamente (o conceito freudiano de neurose é, basicamente, de tudo o que se afaste do aparecimento da percepção racional – verdade, em si, mas que não vai longe). Uma vez que não se concebe como real, ou de facto existente, nenhum contexto mais elevado, sempre que ocorre uma ocasião genuinamente trans-racional, ela é imediatamente explicada como uma regressão às estruturas pré-racionais (uma vez que não se admitem outras estruturas não-racionais, essas são as únicas que aceitam uma hipótese explanatória). O superconsciente reduz-se ao subconsciente, o transpessoal cai no pré-pessoal, a emergência do superior é reinterpretada como uma irrupção do inferior. Todos respiram de alívio quando o mundo racional não é abalado nos seus fundamentos (pela “maré negra do ocultismo” tal como Freud erradamente explicou a Jung).

Por outro lado, se se simpatiza com estados mais elevados ou místicos, mas se ainda se confundem estados pré com trans, então vai-se elevar todos os estados pré-racionais a uma espécie de glória transracional (o narcisismo primário infantil, por exemplo, é visto como um abandono inconsciente na comunhão mística). Jung e os seus seguidores, claro, seguiram por aí muitas vezes e viram como sendo estados profundamente transpessoais e espirituais meros estados indissociados e indiferenciados, sem nenhuma espécie de integração.

Na posição elevacionista, a união trans-racional e transpessoal é vista como o Ponto Magno, e uma vez que a racionalidade egóica tende de facto a negar este estado superior, então apresenta-se a racionalidade egóica como o ponto mais baixo das possibilidades humanas, como uma inferiorização, como a causa do pecado, da separação e da alienação. Quando se vê a racionalidade como o ponto mais baixo, como o grande Anticristo, então, qualquer coisa não-racional é projectada para cima e indiscriminadamente glorificada como caminho directo para o Divino, incluindo-se aí muito do que é infantil, regressivo e pré-racional: Qualquer coisa que liberta da malvada e céptica racionalidade. “acredito porque é absurdo” (Tertullian) – Este é o grito de guerra elevacionista (uma linha profundamente recorrente em todos os Romantismos).

Freud era um reducionista, Jung, um elevacionista – os dois lados da falácia pré/trans. E a questão é que ambos estão meio certos e meio errados. Grande parte das neuroses são de facto fixações/regressões a estados pré-racionais, estados que não têm nada de glorioso. Por outro lado, estados místicos existem de facto, para além (não abaixo) da racionalidade e esses estados não são para reduzir.

Durante a maior parte da era moderna recente e, de certeza, desde Freud (e Marx e Ludwig Feuerbach), a posição reducionista relativamente à espiritualidade prevaleceu – Todas as experiências espirituais, não importava quão elevadas pudessem de facto ser, eram interpretadas como simples regressões aos modos primitivos e infantis de pensamento. Contudo, como se em reacção exagerada a isso tudo, estamos agora, e temos estado desde os anos sessenta, a gerar várias formas de elevacionismo (como fez, por exemplo, mas não só, o movimento New Age). Toda a espécie de acções, seja qual for a sua origem ou autenticidade, são simplesmente elevadas ao esplendor trans-racional e espiritual, e a única qualidade necessária para esta maravilhosa promoção, é que essa acção seja não-racional. Tudo o que é racional, é errado, tudo o que é não-racional é espiritual.

O espírito é, de facto, não-racional; mas é trans, não, pré. Transcende mas inclui a Razão; não a faz regredir nem a exclui. A Razão, como qualquer estádio particular da evolução, tem as suas próprias (por vezes devastadoras) limitações repressões e distorções. Mas, como vimos, os problemas de um determinado nível, resolvem-se no nível de desenvolvimento seguinte; Não se resolvem voltando ao nível anterior, onde o problema seria simplesmente ignorado. E é assim com as maravilhas e terrores da Razão: ela traz muitas novas capacidades e soluções, introduzindo, ao mesmo tempo, os seus problemas específicos, problemas resolvidos apenas pela transcendência para níveis superiores e trans-racionais.

Muitos movimentos elevacionistas estão, infelizmente, não para além da Razão, mas abaixo dela. Acham que são, e assim se anunciam, escaladores da Montanha da Verdade; quando, parece-me a mim, apenas escorregaram, caíram e estão a deslizar rapidamente encosta abaixo e chamam à louca corrida descendente pela encosta da evolução “entrar em êxtase”. À medida que o chão se aproxima deles a uma velocidade mortal, têm a lata de apresentar esta trajectória de colisão com o chão como o novo paradigma da transformação mundial que se aproxima, e lamentam os que ficam a ver a sua queda eminente como quem vê um choque em cadeia na Auto-estrada, e abanam a cabeça tristemente, por verem que declinamos a entrada nessa sua aventura. O verdadeiro êxtase espiritual, de dimensão infinita, fica no cimo dessa colina, não lá em baixo.

[Nota: Encontra-se uma descrição mais detalhada da falácia da pré/trans no livro Eye to Eye.]

4 comentários:

jorge vicente disse...

e como é que ken wilber veria a biodanza, álvaro e algumas das suas danças de êxtase e de transe?

seria uma boa pergunta...

grande abraço
jorge

jorge vicente disse...

e uma coisa engraçada mais. eu, em tempos, apaixonei-me pela figura de santo antónio de lisboa, que foi um dos nossos maiores místicos, com uma teoria teológica bastante profunda. no entanto, a fase escura da noite seriam os vícios da carne, as tentações, o abandonar dessa racionalidade espiritual.

eu, durante muito tempo, pensei fazer uma colecção de poemas sobre a noite mística de santo antónio aplicando-a à minha vida. não seria um texto religioso, mas apostaria nessa noção da comunhão com o divino através da elevação da alma(parvoíces de quem não sabia que já era místico no aqui e agora, partilhando a vida com os outros).

agora, tenho uma nova ideia: inverter a noite mística e colocando no cimo a irracionalidade, a perda de controlo, o transe, a luxúria, a entrega total ao outro. claro que essa irracionalidade não seria uma irracionalidade patológica mas sim o resultado das minhas experiências directas em biodanza, que me mudaram muito.

mais um abraço
jorge

Belle Neves disse...

Álvaro, querido amigo, é um prazer estar aqui novamente, participando minha opinião!

As psicologias anteriores viam o homem como individuo que devia se adaptar a sociedade na qual estava inserido; adaptar seu ego, sua forma de ser. Os conflitos do homem eram vistos como dificuldades dessa adaptação. A psicologia transpessoal (abordagem mais atual da psicologia) dá um passo a mais. Integra as anteriores dentro de uma nova visão do homem... é uma ampliação de consciência, da percepção: ver o homem inserido num sistema muito maior, interagindo e ampliando a sua consciência.

Seguindo a linha de pensamento de Wilber, todos nós começamos como corpo, crescemos como adulto racional e podemos terminar como um indivíduo iluminado. Processo que completa nossos potenciais de desenvolvimento.

Na verdade nossas idéias sobre o espírito são ainda muito fragmentadas. Precisaríamos nos integrar ao universo das coisas para podermos vivenciá-las de forma maior.
A meditação é um caminho.

Abraço!

Belle Neves

POESIA CÁ E LÁ disse...

Primeira visita ao teu blog neste 2010 que ainda está nascendo.
Venho te desejar muita inspiração, muita poesia, muito sucesso.

Beijo ternurento

Clau Assi