segunda-feira, dezembro 10, 2007

A Bilha Rachada

As línguas (ai!...) têm destas coisas: Então, o chinês... Enfim, quero dizer, tradutore traditor, entre pôr uns quantos dos meus amigos a dar todo o tipo de conotações ao título, e a fidelidade ao texto (inglês) de onde tirei esta história, eu opto pela fidelidade. Aos meus amigos taradinhos e ao texto original. Bom, original inglês, porque o chinês... Procurei saber de onde vem o texto, concluí que será de contos tradicionais chineses, não terá um autor conhecido. No entanto, para não ferir direitos de autor e dar o seu a seu dono, pesquisei parte do texto inglês e encontrei esta história em... mais de 9.000 entradas! O texto é mesmo bom! Ora vejam a tradução que fiz e estejam à vontade para criticarem, se acharem que o devem fazer.


A BILHA RACHADA

Uma velha chinesa tinha duas grandes bilhas que transportava penduradas em cada ponta duma vara que levava aos ombros.
Uma das bilhas tinha uma racha e, enquanto a outra estava intacta e levava toda a sua porção de água até ao fim do longo caminho da ribeira até casa, a rachada chegava só meio cheia.

Durante dois anos inteiros foi assim todos os dias, a mulher a levar para casa apenas uma bilha e meia de água. A bilha inteira, claro, estava orgulhosa do seu desempenho. Mas a pobre da bilha rachada estava envergonhada pelo seu defeito e triste por só poder cumprir metade daquilo para que fora feita.

Depois de 2 anos daquilo que entendia amargamente ser uma falha, um dia, junto ao ribeiro, a bilha falou à mulher: “Tenho vergonha de mim própria porque a racha do meu lado faz a água sair ao longo de todo caminho para casa”.

A velha sorriu: “Reparaste nas flores que estão do teu lado do caminho e não do lado da outra bilha?” “É porque eu sempre soube dessa tua deficiência, por isso semeei, do teu lado do caminho, as flores que tu regas, todos os dias, quando regressamos. Assim, há dois anos que apanho essas lindas flores para enfeitar a mesa. Se tu não fosses assim como és, não haveria na casa a graça da sua beleza”.

Cada um de nós tem o seu defeito. Mas são as falhas e fragilidades de cada um que tornam as nossas vidas no seu conjunto tão interessantes e gratificantes. Temos que tomar cada um do modo que ele é e ver o seu lado bom.

PORTANTO, meus amigos bilhas rachadas, tenham um dia maravilhoso e não se esqueçam de apreciar as flores que crescem do vosso lado do caminho!

9 comentários:

jorge vicente disse...

um texto maravilhoso, álvaro. uma lição para todos nós, bilhas rachadas eheheh e cheias daquelos belos defeitos que nos fazem perfeitas na nossa imperfeição.

Um abraço
Jorge

eduardo espírito santo disse...

Nada é ao acaso... com ou sem bilha : ))- abraço do eduardo

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Olá Álvaro, agradeço a visita e o comentário lá no sítio da Maria.

Venho aqui de vez em quando, mas como estás muito tempo sem actualizar, sabes como é... se nada nos ocorre para comentar,nem tu nos desafias com novos "posts" ficamos calados. É o que me tem acontecido.

Tenho Saudades tuas!
Beijinho
Ana

Lu disse...

Olá Álvaro
Vim "espreitar" e gostei do que li.

Beijinho

Luisa

Marcia disse...

Esta mensagem é de uma beleza enternecedora e reconfortante.

O outro nome para isto é compaixão... que nos torna mais brandos no julgamento para conosco e para com o outro.

Um abraço carinhoso, feliz por conhecer vc a cada dia um pouquinho melhor, portuga!

Márcia.

Anónimo disse...

Bonita metáfora da vida...

Se ao menos plantassem flores, no aproveitamento das nossas fragilidades...

Helena

maria filomena disse...

Olá Álvaro

Nesta altura do campeonato, não vou dizer nada de novo (...) apenas cumprimentar-te pela escolha do bonito texto, conciliador com nós próprios e com os outros...
Tu és assim mesmo e é isso que faz de ti um homem muito bonito...
Que bom conhecer-te

Beijo
MIMI

Edubeau disse...

Encontrei o seu blog no seguimento de uma pesquisa no google e acabei por ficar a "espreitar" e a "ler em diagonal" durante quase uma hora....
Depois de ler este texto não resisti a dizer-lhe o quanto gostei da sua companhia.
Até breve,
Maria Eduarda

nelinha disse...

Boa tarde Alvaro!
Lindo, belo texto...Adorei...moral da historia"São PERFEITAS todas as nossas IMPERFEIÇÕES".Nada acontece por acaso...Cada um tem a sua função no mundo, seja ela boa ou má, grande ou pequena...

Beijinhooo
Nelinha